Todo mundo pensa errado que o zumbido é coisa da Terceira Idade

30 jan

Recentemente a Dra. Tanit Ganz Sanchez publicou no canal Papo de Mãe do UOL um artigo sobre os erros mais comuns sobre zumbido no ouvido, como o de associar que isso só acontece com pessoas da 3ª idade.

Nesse artigo ela explicou de forma clara o zumbido em adultos e em crianças e em qual momento ela percebeu que ambos sofriam com o sintoma.

Todo mundo pensa (errado) que zumbido é um problema típico da terceira idade. Isso vem da época em que apenas pessoas idosas reclamavam de ouvir um apito ou chiado no ouvido junto com a dificuldade de ouvir ou entender conversas. De fato, pesquisas sugerem que 1/3 das pessoas acima de 60 anos têm zumbido.

Nada como a passagem do tempo para escancarar – de uma forma que ninguém se atreve a duvidar – os estragos que os novos hábitos vão causando… e nossos filhos não estão livres deles!

As coisas mudam aos poucos e nossa tendência é não perceber as mudanças. Um dia, a ficha cai. Depois dos primeiros 11 anos atendendo pacientes com zumbido dentro do maior hospital público do Brasil, finalmente chegou o dia da ficha cair: na mesma semana, eu havia atendido um menino de 12 anos e outro de 5 anos reclamando de um “barulho no ouvido”.

Mas o que é esse tal zumbido? Também conhecido como “barulho no ouvido”, esse som de chiado ou apito fica mais audível nos momentos de silêncio. Por isso pessoas com zumbido costumam perder o sono à noite e a concentração durante o dia, ficando ansiosos ou deprimidos por não conseguirem fazer o que precisam. Dentro de nós, o zumbido costuma representar uma resposta do ouvido a alguma agressão sofrida na parte interna do ouvido.

Quando foi que eu deixei de atender exclusivamente pessoas com mais de 50 ou 60 anos e passei a atender gente jovem? Realmente não sei, não percebi, mas era necessário fazer algo para esclarecer esse assunto.

Crianças não são pequenos adultos. O sistema auditivo delas ainda está amadurecendo ativamente suas conexões com os neurônios cerebrais, dependendo das experiências auditivas de cada criança. Por isso, ele costuma ser mais influenciável do que o sistema auditivo dos adultos.

E o que não falta nessa vida moderna é barulho entrando pelos ouvidos dos nossos filhos, dentro ou fora do período da pandemia: o ruído das festinhas infantis (ou não), os gritos no recreio, os apitos nas aulas de educação física, os fones de ouvido que estão sendo cada vez mais usados para música, jogos eletrônicos ou aulas online, os shows e baladas sem uso de protetores auriculares, etc.

A questão é que, diferente dos olhos, os ouvidos não têm uma barreira de proteção (como as pálpebras) e nem descansam enquanto a gente dorme. Talvez por isso, ficam vulneráveis ao bombardeio sonoro ao qual são expostos cada vez mais precocemente no nosso estilo de vida atual.

Com a mesma seriedade que sempre imprimimos na nossa vida profissional, publicamos duas pesquisas científicas sobre zumbido em crianças e adolescentes em renomadas revistas internacionais. Ambas já haviam passado pelo crivo rigoroso da aprovação para financiamento pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

Juntando as duas pesquisas, pudemos estudar 506 crianças entre 5 e 12 anos, moradoras de Lajeado, RS (Coelho, Sanchez e Tyler, 2007) e 170 adolescentes de 11 a 17 anos, moradores de São Paulo, capital (Sanchez e cols, 2016).

Usando questionários típicos das pesquisas científicas dessa natureza, otorrinos e fonoaudiólogos treinados entrevistaram essas crianças e adolescentes, tomando cuidado extra para obterem resultados confiáveis.

Surpreendentemente, muito mais estudantes relataram zumbido do que poderíamos imaginar! Foram 37,7% das 506 crianças e 54,7% dos 170 adolescentes que responderam que tinham zumbido no ouvido naquele momento ou que já o haviam tido.

Alguns destaques comuns entre essas pesquisas foram:

  • crianças e adolescentes apresentam zumbido de modo semelhante aos adultos e idosos, mas raramente reclamam ou falam sobre o problema espontaneamente, o que leva ao fato do spais não terem ciência sobre isso;
  • quando se incomodavam, as queixas mais frequentes associadas ao zumbido foram dificuldade para dormir e/ou para se concentrar. Apesar disso, vários participantes achavam que isso era normal e não contavam aos pais.
  • houve forte associação entre zumbido e exposição das crianças e adolescentes a sons altos, chegando a alcançar 51% na pesquisa com adolescentes.
  • a audiometria (teste de audição) manteve-se normal na quase totalidade dos casos, o que não acontece nos adultos e idosos com zumbido. Isso sugere que crianças e adolescentes com ouvidos sensíveis a sons podem ter zumbido como primeiro sintoma, antes de alguma perda auditiva aparecer no exame.

Devido a esses resultados, passamos a dar mais valor ao fato de que o zumbido pode frequentemente estar dentro de casa e da escola, mas passando despercebido por pais e professores!

Por isso, vamos dar algumas dicas para as mães se inteirarem do assunto:

Estudantes com zumbido podem apresentar insônia, falta de concentração, fadiga crônica, irritabilidade e desmotivação para aprendizagem. Esses sintomas já fazem valer o benefício da investigação precoce, daí a importância dos pais saberem para os conduzirem aos médicos.

Como a investigação e a confirmação do diagnóstico do zumbido começam com o próprio filho contando para um adulto, sugerimos aos pais que perguntem aos filhos se eles ouvem um barulho nos ouvidos em momentos silenciosos, como antes de dormir. Também sugerimos que essa conversa aconteça em ambiente tranquilo para coletar a informação e sem gerar ansiedade desnecessária caso a resposta do filho confirme a presença do sintoma.

Tratamento precoce e sempre um dos lemas da Medicina. Porém, como o tema zumbido ainda é pouco explorado na infância e adolescência – apesar de ser bem comum – poucos pediatras, hebiatras e otorrinolaringologistas perguntam sobre isso nas consultas de rotina. Assim, somado ao fato dos jovens raramente comentarem o assunto espontaneamente, o panorama geral contribui para adiar o diagnóstico dos jovens ouvidos vulneráveis ao excesso de sons da vida moderna.

Faz sentido para nós que o diagnóstico precoce de um sintoma surpreendentemente comum nessa faixa etária, porém pouco avaliado por falta de informação, possa trazer benefícios dentro da família e da escola, além de preservar a audição para os anos futuros.

Ela concluiu a matéria com as dicas para nossos filhos:

  1. Entenda que música é algo maravilhoso… o único problema dela é o volume alto!
  2. Não ache normal sair da balada ou tirar o fone de ouvido e perceber zumbido ou sensação de ouvido tampado; isso pode ser sinal de ouvido vulnerável.
  3. Proteja seus ouvidos enquanto se diverte em festas, shows, bares, carnaval, estádio, trio elétrico, corrida (moto, kart, F1) etc.
  4. Tome cuidado com sons abruptos como gritos, vuvuzela, apito, fogos de artifício, rojão, bombinha, alarme etc.
  5. Use protetores de ouvido sem ter vergonha, como se fossem outros acessórios, e faça intervalos de 10 minutos a cada 1 hora de exposição aos sons altos: isso pode ajudar a preservar seus ouvidos.
  6. Fique sempre loooonge das caixas de som!
  7. Cuidado com a mistura de ruído + álcool + drogas: o efeito cerebral, mesmo que temporário, pode aumentar a chance de lesão definitiva nos ouvidos.
  8. Com fones de ouvido, evite passar da metade da potência do aparelho e de 2 horas de uso contínuo.
  9. Se perceber zumbido ou ouvido tampado no dia seguinte à exposição ao ruído, procure seu otorrinolaringologista o quanto antes. O tratamento precoce com medicamentos aumenta a chance de reverter os problemas. Cuidado com a automedicação.
  10. Cuide de seus ouvidos: eles são muito importantes para a qualidade de vida!

 

Fonte: Papo de Mãe – UOL
https://papodemae.uol.com.br/2021/01/12/zumbido-em-criancas-e-adolescentes/


O Instituto Ganz Sanchez disponibiliza um material GRATUITO e de qualidade para ajudar quem sofre com zumbido e hipersensibilidades auditivas (misofonia e hiperacusia) e também os seus familiares.

Esse material inclui vídeos e posts sobre curiosidades, aulas, dicas, depoimentos da pesquisa de cura do zumbido e lives do G.A.N.Z. (Grupo de Apoio Nacional a pessoas com Zumbido).

Ele está disponível nos seguintes canais:

  • Instagram @zumbidonoouvido: aqui as lives ao vivo ocorrem aos domingos às 17h17.
  • Youtube.com/zumbidonoouvido - Tanit Ganz Sanchez
  • TV Zumbido
  • facebook.com/InstitutoGanzSanchez
  • Siga-nos, curta e compartilhe.


    Se você prefere informação focada em sua necessidade, disponibilizamos nossos produtos:

  • O treinamento online “ABCZ DO ZUMBIDO” é dinâmico e direto ao ponto. Os três módulos “Entendendo o Zumbido”, “Investigando o Zumbido” e “Tratando o Zumbido” ajudam tanto o público que sofre quanto os profissionais que os atendem. Clique aqui e assista uma aula grátis.
  • O livro “QUEM DISSE QUE ZUMBIDO NÃO TEM CURA?” é leitura fácil e rápida com informações de qualidade. Você pode adquirir a versão impressa pelo nosso site ou o e-book para ler no Kindle, computador, tablet e celular.

  • Se você preferir consulta individual para diagnóstico e tratamento:

  • fazemos atendimento à distância por vídeo-chamada para atender quem mora fora de SP. Mais informações podem ser obtidas por mensagem de whatsapp empresarial 11-30215251.
  • Compartilhar:
    pt_BRPortuguese
    Open chat